Emprego cultural e criativo

O objeto deste texto é o emprego cultural em Portugal tendo por base a série estatística 2011-2020 do Eurostat e do INE. 

O contexto de crise pandémica justifica um comentário específico aos dados de 2020. A fonte é o Eurostat e a perspetiva é comparativa de Portugal no contexto da União Europeia (UE). Os dados mostram que o emprego cultural baixou -2,7% na UE mas em Portugal cresceu 3,5%. Revelam ainda que se mantiveram outras tendências identificadas nos anos imediatamente anteriores quanto ao perfil social dos profissionais do sector.

Neste texto atualiza-se a série estatística do emprego cultural em Portugal para 2019. Na versão anterior deu-se conta das implicações da revisão da metodologia por parte do INE para o ano de 2018. Uma vez que os dados divulgados pelo Eurostat e pelo INE apresentam diferenças significativas, e que isso levanta naturais dúvidas, impõe-se nesta atualização uma nova nota de método inicial, sintética mas que permita avançar os aspetos centrais que as explicam.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) produz e divulga estatísticas do emprego cultural a partir da informação do Inquérito ao Emprego (IE). A presente atualização do indicador tem alterações significativas face à versão anterior, desde logo no primeiro ano da série que é agora 2011 e não 2008.